Neurofeedback na Ansiedade


O que a investigação nos diz acerca da utilização do Neurofeedback nos quadros de perturbação de ansiedade e ataques de pânico?


Os investigadores Dong e Bao (2005) realizaram um estudo com aplicação de Neurofeedback, recorrendo a 70 estudantes diagnosticados com elevados níveis de ansiedade. Os estudantes foram divididos em 2 grupos: 35 estudantes no grupo experimental, e 35 para o grupo de controlo. Após o tratamento, foram reportadas melhorias significativas nos sintomas associados à ansiedade, à somatização e aos sintomas depressivos no grupo experimental, comparativamente ao grupo de controlo.


O estudo de Moradi et al., (2011) demonstra que o Neurofeedback é uma modalidade de tratamento efectiva para os transtornos de ansiedade. Está também associado a melhorias clínicas na ansiedade generalizada, ataques de pânico, perturbações fóbicas, perturbações obsessivo-compulsivas e stress pós-traumático (p.e., Moore, 2000; Hammond, 2005).