Neurofeedback nas Insónias e em outras Perturbações do sono


O que a investigação nos diz acerca da utilização do Neurofeedback nas perturbações do sono?

O cérebro regula o sono. As nossas ondas cerebrais refletem claramente mudanças nas fases do sono. Através do treino das ondas cerebrais, com recurso do neurofeedback, podemos regular a actividade das ondas cerebrais específicas, de forma a que o sono normalize.Com base em relatos de um grande número de profissionais de saúde, a evidência mostra que este treino através do Neurofeedback tem impacto nos mecanismos de regulação do sono, ajudando no aumento da qualidade de sono. 

Tal como acontece com qualquer programa, uma avaliação completa do sono é importante. Questões acerca dos “rituais” para perceber os padrões do sono (incluindo cafeína, álcool e outros factores comportamentais), bem como outros potenciais factores que possam contribuir, precisam de ser cuidadosamente revistos e corrigidos em combinação com treino de neurofeedback.

Sabe-se que a insónia tem uma elevada co-morbilidade com outros transtornos psicológicos (McCrae et al., 2010). Os tratamentos mais utilizados para as insónias são sedativos (ligeiros) e hipnóticos, que são efectivos mas apenas nas terapias a curto-prazo (duração de 3-6 meses) devido aos seus efeitos sedativos. Quando as terapias são descontinuadas, a insónia volta (Instituto Nacional de Saúde [Americano], 2005).  

Hauri et al., (1981; 1982) realizaram treino por Neurofeedback a indivíduos com insónias e verificaram melhorias significativas. Estudo de Hammer et al., (2011) mostrou que todos os participantes alcançaram padrões de sono normais, sendo que a resposta ao tratamento se manteve nos follow-up’s realizados, 6 e 9 meses após o tratamento. Em cerca de 3 participantes, que tinham transtornos de sono muitos anos prévios ao tratamento, melhoraram ainda mais durante o período de follow-up.